quinta-feira, 2 de abril de 2009

Endereço Insuficiente para Entrega: uma saga em busca dos Correios em Uberaba


Estou exausto. Há muito tempo não andava tanto.

[sedentarismo crônico acentuado]

Hoje pela manhã fui ao centro da cidade de Uberaba fazer uma pré-entrevista com um dos coordenadores do Movimento de Escoteiros de Uberaba. Assunto extremamente interessante que, queiram os deuses do jornalismo, se transforme em uma divertida e informativa reportagem que faça jus ao gabarito desta organização que está presente no mundo desde 1908.
Feito isso, fui tomar cabo de algumas pendências aproveitando a passagem pelo centro. Sacar dinheiro para pagar fotografias 3X4, tirar fotografias 3X4. Em seguida, ir ao Correio.
A palavra "correio" vem dos tempos em que a profissão era feita de pessoas que percorriam distâncias longas, a pé, até chegarem às chamas postas onde encontravam outras pessoas de mesmo ofício e repassavam a informação, e assim sucessivamente em uma espécie de telefone-sem-fio profissionalizado.
Investido da minha condição de "garoto correio" e passando por uma subida íngreme por quarteirões, chego àquela que eu acreditava ser a agência mais próxima de casa, mesmo esta "proximidade" sendo de algo em torno de 15km. Em Uberaba, tudo é longe do bairro Universitário. Fui informado que eles apenas despachavam encomendas e cartas e que, por tanto, meu pacote estaria na agência da avenida Marcos Cherém. - É longe daqui? - É bem longe moço. - Ok, obrigado querida!.

[ela não sabia explicar e eu nunca entendo essas explicações]

A Avenida Deputado Marcos Cherém é uma das mais famosas de Uberaba. Toda cidade tem aquela rua que serve de "ponto" de garotas de programa e travestis, em Uberlândia há a "João Naves", em Uberaba esta avenida é a falada "Marcos Cherém". Apesar da fama, em mais de dois anos que moro aqui eu nunca soube exatamente onde é a tal avenida. Já passei por ela, de carro, mas como sempre fui perdido geograficamente, neste caso, isso não ajudava em quase nada. Após dezenas de quarteirões acima, cheguei no também famoso Parque de Exposições "Fernando Costa", da ABCZ onde acontece entre outros grandes eventos a ExpoZebu. A rotatória abre caminho para pelo menos quatro ruas e eu sabia que uma delas era a Marcos Cherém. Por eliminação: uma rua era a que eu estava vindo, a Fernando Costa; outra é a que leva para o rumo de casa, já conheço bem; restaram duas, à esquerda ou reto, fui reto.
Na ausência de placas com o nome da rua, andei, andei e andei. De repente, olho para a direita e vejo a placa que dizia impiedosamente: Rua Tonico dos Santos.

[pausa dramática]

Penso em desistir mas, já andei demais pra desistir agora. Olho para a esquerda e, surpreendentemente vejo uma agência! Sim, uma modesta agência dos Correios, "quem sabe, a pessoa que me passou as coordenadas também confundiu Cherém com Tonico?". Entro. Saio. A informação que tive é que realmente a agência que devo ir é a da Marcos Cherém. Ao menos eles me indicaram o rumo da Cherém. Volto uma quadra, quebro à direita, desço quatro outras quadras e vejo uma loja de veículos da FIAT, tudo referência do funcionário da agência da Tonico dos Santos. Piso na tão aclamada avenida Marcos Cherém, um passo dolorido já que havia abandonado o meu tênis Fila para me apresentar melhor ao futuro entrevistado lá do início da trama.

[estava com sapatênis de velcro não recomendável para caminhadas]

Mais andança. Um veículo dos Correios passa pela rua, astuto, procuro ver onde ele vai parar mas, ele some das minhas vistas, muitos quarteirões ainda me esperam. Ando mais e não posso acreditar quando leio "Correios" em um outro modesto estabelecimento. Enfrento uma fila básica, os que me antecederam foram buscar a nova via de suas carteiras de habilitação. A atendente me informa que logo adiante, mais quatro ou cinco quadras, há uma posto novinho em folha dos Correios, lá é o lugar certo para minha necessidade, quero acreditar nela.

[suspiro exausto]

Na verdade são mais três quadras adiante, porém, são tão longas que poderiam ser mesmo quatro ou cinco. O tal veículo que eu tinha avistado lá atrás está estacionado na porta da agência que, realmente, reluz de tão novinha que parece ser. Sento, respiro e conto pela quarta vez a minha problemática: - Estou aguardando uma encomenda e no rastreamento pela internet consta "Endereço Insuficiente para Entrega", o remetente disse que possivelmente com a minha carteira de identidade eu conseguiria retirar o pedido aqui na agência mais próxima da minha casa, o que você pode fazer por mim?

[agência mais próxima é comédia]

Ao que o também simpático atendente me informou: - Pedidos devolvidos por este motivo são remetidos de volta no mesmo dia a quem enviou a encomenda. Não posso fazer nada por você.

[prefiro não comentar]

O caminho de volta é muito dolorido. Ao menos antes da resposta fatídica havia a força de vontade de resolver a questão, de não desistir após andar tanto. Minhas papilas gustativas estavam sedentas. Passo pela segunda vez em frente ao Correio 1 da Cherém, também pelo "Geraldo Scotbar", "Night Club", "Boite" de-não-sei-quem ou de-não-sei-o-que, passo ainda por um ponto de Moto Táxi - fechado - e resolvo parar em um buteco daqueles bem feios.

- Uma coca-cola lata, por favor moça.
- Não tem.
- De que tamanho você tem, 600ml?
- Não, só dessa pequeneninha de 0,60 cents.
- Beleza, me dê uma, quanto é?

[sei que foi burrice perguntar]

- É 80 centavos e tem que tomar aqui, é de vidro.

Enquanto degusto o meu líquido favorito um cara de dentro do balcão diz à moça que me atendia: - Esse queijo seu aqui tá tão podre que nem os ratos querem mais. E em resposta: - Deixa ele aí, mais tarde faço pão-de-queijo dele e coloco aqui na estufa para vender.

[ai, ai. viva a industrialização]

Me despeço e caminho até chegar novamente à rotatória do Parque de Exposições, onde eu deveria ter virado à esquerda e não seguido reto. Agora já sei como chegar na Marcos Cherém, acho que mereço o título de cidadão honorário uberabense.
Agora, espero o ônibus coletivo sem minha encomenda que deve estar viajando pelo Brasil afora.


[prestação de serviços ao leitor:
1* Uberaba tem, pelo menos seis agências dos Correios. O Correio Central está em reforma, a agência da Rua São Benedito apenas recebe cartas e encomendas para serem despachadas para outras localidades, já o posto da Avenida Tonico dos Santos é para retirada de Sedex remetidos à cobrar mediante pagamento e apresentação de identidade. Na Avenida Marcos Cherém [ui!] há duas agências, uma de retirada de documentos e outra, novinha em folha, que organiza e distribui os pacotes para sua região. A sexta agência que sei da existência mas que não fez parte desta saga, fica na Rua João Pinheiro, deve ser novinha em folha também, e destina-se a organizar e distribuir pacotes da sua região.
2* Nunca se esqueça de mencionar no campo "Complemento" o número do seu apartamento, se for o caso, pois, o entregador dos Correios, mesmo que o seu prédio tenha apenas uma caixa de correspondências, dará o veredicto: ENDEREÇO INSUFICIENTE PARA ENTREGA.]

5 comentários:

Raquel disse...

Poxa... tem dias que realmente dá vontade de gritar.


Que bom que gostaste do texto, lá no blog! Somos mesmo insatisfeitos, insaciáveis, insanos!
=D

Nunca estamos contentes!

Fabio disse...

josuááááá ...
encontrei vc no blog do milliano,
vou te colocar nos favoritos.

+ nem sempre levo os posts tão a sério como vocês...

qto ao seu último post.
eu odeio amagargmente o correio de uberababa, tudo da empresa que mando praí não chega.

e qdo chega é um enoooooooooooorme tempo dpois ... odeio ...
manda fechar.. ehehe

t+
abraço

Emilliano Freitas disse...

menos mal! pelo menos vc tinha encomendado algo. O duro é quando chega uma cartinha na minha casa pra eu buscar a encomenda na agência já que eu nunca estou em casa. O lugar pra buscar sedex em Uberlândia é lá no Lagoinha (imagina a saga). Pior ainda é quando a tal encomenda é uma revista de propaganda que você não pediu, ou a inscrição prum festival de teatro que você não quer ir. Odeio!

Anônimo disse...

Cara, você escreve bem pra caramba. Parabéns. Gostei desse texto.

Fran macfrazer disse...

Eu estou morando por alguns meses nesta cidade ea verdade é que eu gosto, embora seja uma cidade pequena e de poucas atividades para fazer. Quando me mudei para aqui tenho que dizer que se adaptar custo, mas com a ajuda do meus colegas em apartamentos em uberaba consegui adaptar-se e desfrutar.